Spin City


Ultimamente o tempo começa a escassear, não só temos a faculdade a exigir muito nesta altura, como também temos agora o mundial e os santos populares a ocupar muito do nosso tempo livre, mas não se preocupem, sempre que tiver uma oportunidade, nem que seja pequena como é o caso,  introduzirei novo conteúdo no blog. Dito isto, tenho algumas análises em mente mas devido à falta de tempo para as concretizar optei então por revisitar uma velhinha, mas GRANDE série, que embora já tenha passado pela televisão portuguesa poucos se devem lembrar dela. Estou a falar de Spin City, uma sitcom que conta com o carismático Michael J. Fox, e retrata as mentira, meias-verdades e manipulação que é feita na política para manter a imagem. Uma grande sátira política que aconselho a rever nesta altura em que muitas das séries actuais se encontram em hiatus.

História

A história centra-se à volta de todas as peripécias pelas quais o vice-presidente da câmara Michael Flaherty passa para salvar o nome, minimizar estragos e manter a imagem do presidente da câmara de Nova Iorque Randall Winston, que tipicamente costuma colocar os pés pelas mãos tendo comportamentos politicamente incorrectos.

Podem ver o Michael Flaherty como o homem por detrás do homem, aquele que realmente trata dos assuntos da cidade, mas não o faz sozinho, pois têm uma equipa “altamente qualificada” para o ajudar, passando por elementos peculiares como o chefe de equipa Stuart Bondek, que é na falta de melhores palavras um porco chauvinista, Carter Heywood, um homossexual afro-americano que lida com as minorias étnicas e que possui um vasto leque de teorias de conspiração e o secretário de imprensa Paul Lassiter, que possui um leque variado de respostas às perguntas dos jornalistas, embora todas elas sejam uma variação de não sei ou não comento.

Opinião

Esta série é simplesmente brilhante, sendo muito difícil encontrar uma sitcom a este nível nos dias de hoje. As personagens foram escritas e desenhadas de forma brilhante, e a interacção entre as peculiaridades de cada uma é uma fonte inesgotável de riso. A série apresenta também uma forte componente de sátira social, abordando de várias perspectivas os temas quentes da altura, e que ainda hoje o continuam a ser, como a religião, homossexualidade, etnias, corrupção, etc.

Para ajudar, a série conta também com uma lista bastante considerável de convidados famosos, e de referências a outros filmes e séries populares da altura… o que pura e simplesmente torna esta série repleta de pequenos tesourinhos de nostalgia.

Definitivamente é uma série a não perder!

~ por Izilthir em Domingo, 13 \13\UTC Junho, 2010.

2 Respostas to “Spin City”

  1. Excelente série, uma das melhores a passar em Portugal e senão me engano foi o último trabalho do M.J Fox. Creio que foi durante esta época que o parkison dele se agravou e como consequência ele teve de abandonar a equipa. Em substituição veio o Charlie Sheen, alguém se lembra disso?

    • Se não estou em erro, no final da season 4 de Spin city, ele teve realmente que abandonar a série devido aos seus problemas com a Parkinson. Nas últimas 2 seasons Charlie Sheen ocupou o lugar de deputy mayor.

      Acho que se pode considerar que esta série foi o último trabalho dele, embora ao longo dos anos tenha aparecido noutras séries, tipicamente como convidado fazendo 1 ou 2 episódios, como o fez em Scrubs e Boston Legal por exemplo.

      É um excelente actor, e se não fosse as limitações da sua doença teriamos certamente mais produtos de qualidade com a sua participação.

      Cumps

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: