A evolução dos jogos de Cowboys… Análise a Red Dead Redemption


Um dos nossos parceiros, o Jogos Baratos,  lançou este mês um passatempo onde em parceria com a Zavvi oferece o Red Dead Redemption, e eu não podia deixar de participar. Aconselho-vos a fazerem o mesmo, visto o jogo em questão valer certamente o esforço… só tenho pena de não ter tido tempo de o conseguir fazer mais cedo, mas entre hoje e amanhã tentem participar que este tipo de iniciativas valorizam os blogs portugueses e quem sabe com o tempo não surjam mais oportunidades seja da Zavvi ou de semelhante empresa, aliás, pode ser que participando alguém da Zavvi preste atenção aos nossos blogs e no futuro quem sabe…

A minha análise é capaz de fugir à normalidade, mas sendo este um blog com foco no retrogaming, começarei por referir alguns títulos de jogos de cowboys/westerns que cimentaram a base na qual o Red Dead Redemption se ergueu, e concluirei então com uma pequena análise ao mesmo.

E no princípio Deus criou os Céus e a Terra… mas depois aborreceu-se e resolveu ir jogar NES e mostrar que o gatilho da sua Zapper era o mais rápido do faroeste… e em 1984 nasceu o Wild Gunman. O jogo recriava os duelos que se viam tipicamente nos Westerns, permitindo o típico duelo face a face, ou o duelo contra gangs, onde o saloon se transformava num campo de batalha e enfrentávamos vários adversários que surgiam de cada janela ou porta do mesmo. Um jogo simples, mas extremamente viciante, especialmente porque fazia uso da Zapper, o que nos dava uma grande experiência de jogo.

Muitos mais jogos foram feitos com base no ambiente do faroeste, aliás, a própria NES apresentava outros títulos bastante populares, como por exemplo Gun Smoke, mas o próximo grande passo dentro deste estilo apenas iria aparecer anos mais tarde…

Em 1997, a LucasArts lança Outlaws, trazendo a temática do Velho-Oeste para os shooters na primeira-pessoa , complementando-a brilhantemente com boas escolhas musicais e cutscenes nos momentos certos, providenciando uma experiência similar à que obtemos nos filmes em acréscimo à sua grande jogabilidade. Outro grande melhoramento em relação aos títulos anteriores neste universo foi o seu modo multiplayer que se tornou bastante popular, originando várias comunidades e elevando o estilo a um novo patamar.

Novamente os anos passam, novos títulos surgem, uns bons, outros nem por isso, mas o Velho Oeste Americano apenas volta a conhecer as luzes da ribalta em 2010, com Red Dead Redemption, jogo aclamado pela crítica, conseguindo reunir uma enorme quantidade de fãs num curto período de tempo, algo que o seu predecessor Red Dead Revolver não conseguiu fazer, título que passou ao lado de muitos.

Red Dead Redemption

Plataforma(s): PS3 e Xbox 360

Editora: RockStar Games

Género(s): Acção, Western Shooter

Data lançamento: 21/5/2010

História

O ano é 1911, John Marston é um antigo fora-da-lei, ex-membro de um gang encabeçado por Dutch van der Linde. Agora reformado ele planeava ter uma vida simples no seio da sua família, mas uns agentes federais sem escrúpulos, cientes das suas anteriores afiliações, usam a mulher e filho de John Marston como moeda de troca para o obrigarem a fazer o seu trabalho sujo, perseguindo e caçando os membros do seu antigo gang. Sem escolha, John Marston parte à procura de um ex-companheiro de armas e irmão de Gang, Bill Williamson, acabando por o encontrar em Fort Mercer, onde após um longo diálogo acaba por ser alvejado por um dos membros do gang que Bill formou. Deixado para morreu, John consegue escapar às garras da morte devido à passagem da carroça de Bonnie MacFarlane por aquele lugar, que encontrando-o ferido o leva prontamente a um médico. Mais tarde, John recupera finalmente os sentidos, encontrando-se agora a repousar na quinta dos MacFarlane, onde uma grande aventura o espera…

John Marston

Overview

Red Dead Redemption consegue encarnar de forma perfeita o espírito do velho-oeste americano, incorporando todos os aspectos imagináveis, desde as tarefas mais simples como ordenar o gado, aos clichés típicos, a diálogos que transpiram o oeste selvagem, a paisagens que nos cortam a respiração, aos efeitos sonoros e música, e por fim à variedade de armas e cenas de luta… só fica a faltar mesmo o jogo trazer um periférico que nos cozinhasse uns chili beans. De uma maneira geral, Red Dead Redemption apresenta uma história bastante adulta que parece retirada de um western clássico, não ficando a perder minimamente para ele. De facto, a experiência oferecida pelo jogo melhora, pois a história rica em detalhes está lá, mas as decisões ficam a nosso cargo, como que a transportar-nos para dentro do filme, acrescentando a nossa unicidade ao enredo.

Análise

Red Dead Redemption é um jogo de aventura em mundo aberto, baseado na mística do velho-oeste americano. O mundo é bastante grande, dividindo-se em três zonas distintas: New Austion, Nuevo Paraiso e West Elizabeth. O nível de detalhe é tremendo, apresentando paisagens únicas, repletas de vegetação e animais cujo grau de realismo nos deixa de boca aberta. Cada zona possui as suas particularidades, distinguido-as univocamente entre si, mas mesmo dentro das fronteiras de cada zona conseguimos reparar em diferenças subtis ao longo que viajamos nas mesmas, fazendo com que as viagens nunca se tornem monótonas. O jogo conta com mais de 30 espécies diferentes de animais, povoando as diferentes paisagens consoante os seus habitats naturais. O comportamento dos mesmos também é bastante realista, oferecendo-nos animais com movimentos bastante naturais, e com as reacções espectáveis perante várias situações, como o abutre a circundar uma carcaça de um animal.

A história embora à partida aparente ser um pouco cliché evolui bastante no decorrer do jogo, e o mesmo apresenta um grau bastante elevado de liberdade de escolha, deixando deste logo o jogador ciente que as suas decisões têm um real impacto no decorrer do jogo. Os diálogos do jogo são de uma qualidade imensa, reforçando novamente a atenção aos detalhes que foi dado ênfase neste jogo. Sem contar com a história principal, o jogo também está recheado de side-quests e mini-jogos, o que prolonga bastante a sua longevidade, já para não falar que a própria experiência de andar a passear sem rumo também é um factor de diversão tremendo.

O jogo conta com um sistema de honra, que consoante as nossas acções irá modificar a percepção que as personagens de jogo têm de nós. Se se focarem em fazer boas acções, os habitantes das cidades por onde passam vão ter-vos na mais alta das considerações, cumprimentando-nos ou até mesmo aplaudindo-nos. Se porventura se focam em fazer más acções, então os mesmos olharão para vocês com receio, evitando o contacto directo, etc. Sejam bem ou mal comportados, cada lado têm as suas vantagens e desvantagens, o que é mais importante destacar é que nos é dada a escolha do que queremos ser. E se mesmo seguindo o caminho do bem formos confrontados com alguma situação onde queremos mesmo nos portar mal, temos sempre a hipótese de esconder a nossa identidade usando um lenço para tapar a cara, permitindo assim fazer uma má acção mas manter a honra intacta. O jogo conta também com um sistema de fama, sendo que à medida que vão progredindo no mesmo e realizando tarefas, a nossa fama vai aumentando, o que pode atrair duelistas à procura de ganharem um nome para si próprios.

O sistema de combate do jogo também é outro dos seus pontos fortes, tirando o melhor proveito dos elementos típicos do velho-oeste, os cavalos, o laço de corda e claro, as armas de fogo. Com estes elementos poderão fazer tudo o que vos passar pela cabeça, desde amarram inimigos às linhas de comboio, a tomar comboios de assalto cavalgando no vosso fiel cavalo, a duelos, e até a domar cavalos e ordenar gado. O que mais caracteriza o sistema de combate apresentado por Red Dead Redemption, é o chamado sistema Dead Eye, que nos permite desacelerar o tempo e fazer pontaria com bastante pormenor e exactidão. Através do uso do Dead Eye poderão desarmar inimigos acertando-lhes nas armas, impedir que os mesmo fujam alvejando-os nas pernas ou simplesmente alvejar os chapéus de transeuntes só pelo factor diversão.

O multiplayer do jogo está bastante desenvolvido, contendo vários modos para agradar a todos, variando entre modos competitivos e navegação livre. Falando nos termos tipicamente usados, o jogo apresenta variantes à la faroeste dos típicos deathmatch, team deathmatch, capture da flag, caça ao tesouro e raids a fortes/bases. O único senão será porventura o facto do modo multiplayer ser bastante instável, originando múltiplas queixas diárias de inúmeros jogadores… mas esperemos que com o tempo os problemas sejam resolvidos e se consiga tirar o melhor proveitos possível deste jogo.

Para finalizar, resta apenas referir que os efeitos sonoros e música também foram bastante trabalhados, não havendo nada de mau a apontar… muito pelo contrário. A música adequa-se na perfeição ao estilo do jogo e transporta-nos para o mundo do mesmo. Os efeitos sonoros adequam-se na perfeição às armas, conseguimos ouvir os cascos dos cavalos, etc… Resumidamente, a banda sonora é simplesmente de luxo.

Red Dead Redemption… um candidato claro a jogo do ano!

~ por Izilthir em Segunda-feira, 28 \28\UTC Junho, 2010.

2 Respostas to “A evolução dos jogos de Cowboys… Análise a Red Dead Redemption”

  1. Muito boa análise! Gostei de ler😉

    Cumprimentos

  2. boa analise mesmo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: