TRON


TRON (1982)

Com o anúncio do Tron Legacy na ComicCon’09, que é a sequela do clássico cinematográfico TRON, achei por bem revisitar este velhinho filme e deixar aqui um pouco da história original e a minha opinião pessoal sobre ele.

A premissa do filme é “simples”, mas revolucionária para a altura:

Num mundo virtual, existe um programa, Master Control Program (MCP), que reina à força sobre os restantes impondo regras e as suas próprias convicções de forma a manter o poder. Qualquer programa que rejeite a sua doutrina, mantendo-se fiéis aos seus utilizadores (humanos que os criaram) eram forçados a duelar até à morte virtual em videojogos… e assim se criam duas facções, uma fiel ao MCP (facção vermelho alaranjado) e outro fiel aos utilizadores (facção azul).

No mundo real, os utilizadores começam a ver negado o seu acesso aos seus próprios programas, e um programador da empresa Encom (mesma empresa que lançou o MCP) identifica o MCP como a causa provável para esses acontecimentos, pelo que desenha um programa intitulado TRON cuja função geral é detectar acessos indevidos feitos entre programas e apagar os programas maliciosos, mas a sua verdadeira função é vigiar as actividades do MCP.

O MCP detectando o TRON como uma ameaça bloqueia a comunicação do mesmo com o seu utilizador, prevenindo-o de entrar em actividade, e forçando-o a entrar nos duelos mortais entre programas, no qual TRON mantêm os seus princípios lutando pela facção que acredita nos utilizadores.

Voltando ao mundo real, um ex-programador da Encom que saiu da empresa injustamente e que viu todo o seu trabalho roubado pelo programador do MCP, pretende salvar o seu bom nome achando provas do roubo do seu trabalho, pelo que em conjunto com com dois dos seus ex-colegas, o programador do TRON e uma programadora de um laser capaz de digitalizar matéria viva e depois a reconstruir, planeiam invadir o sistema, libertando o TRON para conseguirem libertar os programas do controlo do MCP.

Todavia, o MCP, que nesta altura já contava com uma ambição de dominar o mundo, através do controlo dos programas do  Kremlin e do Pentágono (Nota: Lembrem-se que nesta altura ainda estávamos na Guerra Fria), descobriu estes planos e antes que o ex-programador da Encom consegui-se entrar no sistema ele usou o laser para digitalizá-lo para dentro do mundo virtual sobre o seu controlo, onde ele foi rapidamente capturado e obrigado a fazer parte dos duelos virtuais.

Através dos duelos o programador encontra TRON, e juntos planeiam a eventual derrota do MCP…

Este filme foi absolutamente genial para a sua época, marcando as gerações que o viram. A ideia de um ser humano conseguir entrar no mundo virtual onde os programas residem foi um verdadeiro marco na história cinematográfica.

Embora nos dias que correm, os gráficos e cores berrantes afastem a juventude deste clássico, é sem dúvida um filme que deve ser visto pelos fãs do género e pelos amantes de cinema em geral.

Este filme também marcou a indústria dos videojogos, sendo o jogo TRON original um verdadeiro marco na história dos arcade games, e responsável por inspirar a criação do Snake, que toda a gente já teve a oportunidade de jogar num telemóvel ou computador.

Tron, arcade game lançado em 1982 pela Bally Midway

Como maneira de fazer a ponte entre o retro e a actualidade deixo aqui dois vídeos para compararem o grafismo das light bikes:

Tron:

Tron Legacy:

Ps – Alguém sabe porque é que os azuis são sempre os “bons” e os vermelhos os “maus”? … Fica para outra altura.

~ por Izilthir em Segunda-feira, 21 \21\UTC Dezembro, 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: